sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Minha primeira vez por aqui

Definitivamente acredito que com o passar dos anos a gente só tende a melhorar. Porque prestes a completar 36 anos e no mínimo 10 de psiquiatria/psicologia, eis que descubro que sou bipolar.

Não que isso seja algo ruim, muito pelo contrário. Você precisa primeiro saber se definir, saber quem você é e como funciona sua cabeça pra tentar desembaraçar esse eterno ninho que é a mente da maioria das pessoas (mesmo que elas não assumam). Eu sei o preço que é admitir meus problemas mentais (dizer "problemas mentais" já é um grande passo), porque nem as pessoas que você ama querem reconhecer a sua doença e estão sempre minimizando tudo, como se fosse algo normal, eu fosse assim por escolha própria ou fosse simplesmente meu jeito de ser. Uma das coisas que mais me deixam com raiva é confundir depressão com tristeza, e o pouco caso que a maioria das pessoas tratam quem tem esse tipo de problema.

Junta-se tudo isso com a minha personalidade inata, que é essa beleza que se resume a não ter muita paciência com o ser humano em geral, reconhecer que sou inteligente ao ponto de evitar ao máximo certa profundidade interpessoal e achar que eu nasci no planeta errado.

Sou uma pessoa feliz, um dia por vez, dentro do possível. Eu tenho uma filha maravilhosa e perfeita em todos os sentidos, tenho uma boa família, amigos, um trabalho, enfim, tudo como manda o figurino. Só não acho que só isso me basta, e o ser humano se empenha com bastante esmero pra estragar tudo sempre. Como pessoa eu sou obrigada a conviver com isso, mas não sou obrigada a gostar.  

Eu tinha muita coisa pra dizer, mas deu interferência nos pensamentos então continuo outro dia, quando eu tiver desfeito esse ninho.

Nenhum comentário: